Ever17 - The out of infinity - (Visual Novel)

1.0 2.0 3.0 4.0 5.0 Muito Bom

Informações

Ano 2002
Estúdio KID
País Japão
Episódios 5 rotas
Duração aprox. 30h
Gênero Comédia, Drama, Sci-Fi

Trailer

Ever17 - the out of infinity - é o segundo título da série “Infinity” the visual novels e um dos extremamente raros casos a ganhar traduções oficiais para outras línguas (as traduções para o inglês, chinês e russo foram feitas por companhias oficiais e a VN foi vendida como sendo um jogo para PC no mercado). Isso fez com que, mesmo que ainda em um meio extremamente underground, Ever17 ganhasse muito mais visibilidade do que a maioria das VN’s da época, sendo inclusive responsável pela introdução de muitos fãs ao gênero.

A história se passa no ano de 2017, nas instalações de um revolucionário parque de diversões subaquático chamado “LeMU”. Takeshi Kuranari decide visitar o parque junto com seus amigos, mas no meio de toda multidão, acaba se perdendo deles e fica rondando os corredores na esperança de encontrá-los. Enquanto isso, outro garoto também se encontra perdido no meio do parque, porém por um motivo diferente: quando se dá conta, percebe que está sofrendo de algum tipo de amnésia. Não lembra seu próprio nome, como ou por que foi parar no parque.

De repente, um sinal de alerta estrondoso toma conta do LeMU e as paredes começam a se romper devido a pressão dá água, inundando grande parte do parque.

Takeshi e Kid (como ele é mais tarde apelidado) conseguem se safar do desastre junto a outros sobreviventes, mas eles logo descobrem que estão presos nos andares mais baixos do LeMU sem nenhuma maneira de se comunicar com o mundo exterior, restando apenas esperar pela chegada de ajuda enquanto a pressão da água vai levando a estrutura do parque ao limite.

O sistema de rotas em Ever17 funciona de maneira um pouco diferente: Logo no início do jogo, uma das escolhas determina qual será o protagonista da história, Takeshi ou Kid. Cada um dos dois só pode acessar duas rotas de duas personagens diferentes. Por exemplo, Takeshi só pode acessar as rotas de Tsugumi e Sora, enquanto Kid só pode acessar You e Sara. Para complicar ainda mais o enredo, a personagem Sara só aparece na perspectiva de Kid, enquanto Coco na de Takeshi.

Por que personagens aparecem trocadas em cada perspectiva, sendo que as outras são as mesmas? O que causou esse acidente no LeMU? Qual a verdadeira identidade de Kid e por que ele está lá? Por que Coco não tem uma rota própria desde o princípio? Essas são algumas das perguntas cujas respostas serão o grande trunfo do enredo de Ever17, que apesar de ter elementos dating sim (os únicos personagens masculinos da história são Takeshi e Kid, o resto sendo mulheres que acabam de uma forma ou outra sendo conquistadas por um ou outro em suas respectivas rotas), possui reviravoltas e temas pseudocientíficos capazes de enrolar completamente o seu cérebro.

As particularidades de E17 já começam no fato de que possui dois protagonistas com rotas diferentes entre as outras 4 personagens (Sara, You, Tsugumi e Sora), sem cenas eróticas nem nada. Completando essas 4 rotas iniciais destrava-se a da personagem Coco, que relaciona todas as anteriores em um “True End” (final verdadeiro, ou definitivo). As revelações e amarrações de pontas soltas no enredo são tão criativas e de cair o queixo que vale a pena ter de ler todas as partes mais monótonas da história apenas para se chegar nelas.

Essas partes monótonas, inclusive, são o grande motivo de o porquê E17 não recebe o prestígio máximo. Muitas cenas de exposição entre os personagens se mostram como sendo no mínimo tediantes, e estas acontecem especialmente nos primeiros dias (todas as rotas da VN compreendem um período de sete dias). As brincadeirinhas de pega-pega que o grupo faz para passar o tempo ou a hora das refeições de sanduíche de frango são especialmente maçantes.

Os personagens, com a exceção de Sara e Coco, podem parecer extremamente estereotipados a primeira vista, mas se mostram como sendo o oposto ao longo do enredo. O drama de Tsugumi, por exemplo, é no mínimo emocionante e não tem como não se importar com ela ao final de sua rota e também da história como um todo. You também mostra uma personalidade cativante, e os dilemas existenciais e emocionais de Sora podem não ser os mais originais do mundo, mas definitivamente funcionam e são bem trabalhados.

Nos aspectos mais técnicos, E17 segue o padrão de sua época em termos visuais e de interface. Esta é bem minimalista e as opções de customização da experiência são as mais básicas possíveis. Quanto ao visual, nada que seja muito fora do comum: design de personagens relativamente simples, poucos efeitos de tela, sprites com expressões e gestos muito limitados, etc.

A VN também possui uma função skip que te permite pular todo o texto já lido, algo extremamente útil na hora de passar de novo pela introdução da história ou as mesmas seções que acontecem antes de definição de uma rota. O único problema está no que o jogo considera como “texto já lido”, já que várias partes do enredo que já foram lidos pela perspectiva de Takeshi não podem ser pulados por Kid, apesar de serem praticamente a mesma coisa, não mudando nada além do narrador. Além disso, partes de tamanho considerável do texto entre uma rota e outra podem ser exatamente idênticos, mas não podem ser pulados por algum motivo.

A trilha sonora é intermediária, com algumas músicas que são imediatamente grudentas e outras completamente esquecíveis (se não irritantes). Todas as 3 VN’s da série Infinity possuem uma melodia linda de piano que toca na tela do menu principal, e no caso de E17 esta música é “Karma”. A grande marca registrada da VN, é uma música simplesmente fantástica e passa um clima melancólico/triste capaz de orquestrar suas emoções quando bem desejar.

No fim das contas, Ever17 - the out of infinity - tem uma ótima história para contar, apesar de suas falhas. É uma obra que prova como visual novels podem ser meios capazes de utilizar de convenções específicas de sua mídia para contar um enredo complexo e extremamente recompensador.

OBS: Ever17 foi o único título da série Infinity que recebeu um remake completo para console, mais especificamente o Xbox 360. Possui personagens renderizados em 3D, mais rotas, escolhas, CGs de eventos (ilustrações que aparecem em momentos específicos da história) e uma trilha sonora completamente remasterizada e instrumental. O único problema é que nunca foi lançado fora do Japão ou traduzido por algum grupo de fãs =/.

OBS 2: Ever17 - The out of infinity - pode ser encontrado em Inglês (Hirameki International), Chinês (T-Time), Vietnamita (Tiefblau TG), Russo (WinKiller Studio/Neo Game/SanLtd Team), Húngaro (Aurora Sub/Visual Novel.hu).

Lucas Funchal
>